Dicas de Pilotagem

Dicas de Pilotagem #2: Traçado do S do Senna e Trailbraking


Neste vídeo sobre dicas de pilotagem, ensino como executar o melhor traçado possível no S do Senna em Interlagos, seguindo o conceito de 1 Regra e 1 Exceção em traçados. Mostro também o “Trail Braking”, uma técnica de frenagem avançada para pilotos um pouco mais experientes. Seguindo este canal, mesmo quem não tem experiência em pilotagem de competição poderá rapidamente aprender como executar o traçado ideal em uma corrida de kart ou carro.

Dicas de Pilotagem #2: Traçado do S do Senna e Trailbraking

Olá pessoal, tudo bem? Aqui é Cristian, nos último dias eu postei um vídeo sobre um conceito de apenas uma regra e uma exceção para contorno de traçado em pistas de corrida, de maneira a você ser o mais rápido o possível. E tive um feedback muito positivo, gostei muito dos comentário do pessoal assinando o canal, me perguntando pelo Facebook algumas coisas, etc.

Então eu resolvi trazer um novo vídeo pra vocês com um exemplo de uma pista bem conhecida, ou seja, eu vou mostrar pra vocês como é que se contorna o s do Senna em Interlagos…

O “S” do Senna em Interlagos é muito bacana de se contornar, ele é um complexo de curvas e está num autódromo super bacana no sentido anti horário, uma coisa muito legal de se ver.

Bom, lembrando como se executa a regra e exceção: na regra pode tomar como qualquer exemplo uma curva de 90 graus, você vai se a curva é do lado esquerdo, você vai se aproximar do lado direito, vai frear o carro de maneira reta para manter o peso equilibrado quando chegar um pouco antes do centro da curva você começa a trazer o carro para o lado de dentro da curva, solta o freio, começa a retomar a aceleração, na metade da curva você toca a zebra pelo lado de dentro e daí pra frente começa a rolar o carro pro lado externo já acelerando praticamente 100% do acelerador de maneira a retomar a velocidade o mais rápido possível. Essa é a regra… A exceção é quando você tem duas ou mais curvas juntas antes de você ter uma reta. E aí, por que que eu chamo de exceção? Porque você tem que priorizar sempre a última curva antes da saída da reta. Então dessa maneira você vai sacrificar, ou não fazer tão bem a primeira parte, para que a última curva seja realmente a que seja a mais bem feita para você acelerar o antes possível, beleza?

Então vamos parar o exemplo: O “S” do Senna em interlagos

O “S” do Senna, se você considerar uma sequência de curvas a partir da frenagem, a partir da frenagem da reta dos boxes, não são apenas duas curvas, na verdade, são três. Se você olhar o seguinte. Aqui logo na entrada a gente tem uma curva de um raio bem maior e aqui uma curva de um raio bem menor, ambas para o mesmo lado. Então você tende a contornar priorizando essa aqui, porém se você for priorizar só essa aqui, você não vai levar m conta a última reta a última curva do s que é essa perna aqui.

Você então vai se aproximar pelo lado externo, começar a frear com o volante reto vai começar a contornar atrasando o ponto de tangencia, ou seja, deixando o ponto de tangencia um pouco mais pra frente, ok? porque o ponto mais crítico está aqui, n segundo ápice ainda da primeira “perna”.

Só que se eu fosse considerar apenas esse pedaço e não esse trecho aqui, você deveria soltar o carro pra cá, só que se eu soltar o carro pra cá. Essa curva aqui vai ficar difícil de ser feita, então o que que você faz? Você mantem o carro pelo lado de dentro na primeira perna, desce reto e já se prepara pra fazer a segunda perna com a menor velocidade possível. Um detalhe aqui é que a curva do sol – seja com um veículo fraco ou um veículo super forte – você não vai precisar frear na curva do sol, ela feita é feita de pé embaixo o tempo inteiro, então você precisa fazer isso daqui bem feito, para o quanto antes você começar a retomar a sua aceleração, mais tempo você vai ganhar até o final da reta na reta oposta.

Então o traçado certo seria isso aqui ó (veja o vídeo)
Mantenha a primeira perna por dentro para que a segunda perna seja bem feita. Veja como fica fácil fazer a segunda perna!

Você vem, freia começa a tangenciar, deixa a tangencia para um ponto tardio. Só que ao invés de você já soltar o carro pra fora, você mantém por dentro na primeira perna para que a segunda perna seja perfeita.

Bom, aí nessa hora você está observando que eu expliquei e pode pensar:

“Mas Cristian, se você me falou que você vem reto, freia aqui começa a contornar aqui, durante todo esse espaço de curva aqui, eu vou só esperar o carro rolar, não tem como eu ganhar um pouco de tempo e acelerar um pouco antes?”
Muito bem observado, o que acontece?

Em casos como esse você pode aplicar uma técnica avançada chamada de “trail braking”:

Trail Braking, ao pé da letra, signiica “você frear no trilho”, ou seja durante o seu trajeto, seu percurso, depois que você freou que você começou a tomar a curva, essa curva ideal, chamada de trilho.

Então o que que você faz pra fazer um trail braking? Você vai frear no trilho, você vai atrasar a sua freada e você vai acabar freando um pouquinho pra dentro da curva – com um pouco menos de força no pedal do freio, pra evitar de perder a traseira e rodar.

Dois pontos

Primeiro, você está ganhando tempo porque você está andando mais, freando mais tarde, certo? Certo.
Só que em contra partida aqui como você está virando o volante a aderência máxima que o teu carro tem no chão diminui, porque você não está freando exatamente como mesmo peso com as duas rodas. Você sobrecarregou uma roda em detrimento da outra. Então você tem que saber que você tem menos grip, menos aderência nessa curva, e por isso que a força no pedal do freio é ligeiramente menor.

Isso é feito quando você já tem um certo treino, você está acostumado a andar, está bem treinado, com bastante prática de pista. Então o que você faz, você atrasa a freada começa a virar, continua freando só o suficiente para ele não desgarrar se você frear um pouco mais do que o carro pode, o carro vai perder a traseira, então você vem freando e controlando o freio. Nessa hora, você ao manter o carro ainda no trilho, você começa a retomar a aceleração, ou seja, você vai atrasar frenagem pra conseguir retoma a aceleração e perder o menos temo possível. Ok?
Isso é uma técnica muito bacana ela é favorecida em algumas situações especificas, por exemplo, você tem duas curvas para o mesmo lado. Então você pode, em uma curva de raio grande seguida por uma de raio pequeno, então você aproveita essa curva de raio grande pra deixar pra frear nela…

Outra coisa que favorece aqui, o relevo de Interlagos: aqui nessa parte o piso é inclinado para o lado de dentro, ou seja, você consegue virar, e a gravidade está te puxando para o lado de dentro. Mais uma razão para você usar o trail braking

E ainda mais uma razão para você usar o trail braking é quando você realmente tem uma subida, você está vindo freando e de repente é uma subida, você pode arriscar e ousar um pouquinho mais porque o peso vai te ajudar a segurar o carro na pista sem rodar.

Agora que eu te mostrei como é que o s do Senna é feito, vamos conferir como é que um cara de formula 1 faz aí?

Veja a aproximação feita pelo lado externo da primeira perna, ponto de freada bem tardio, execução do trail braking, mantém por dentro na primeira perna para obter o traçado ideal parara segunda perna a partir daí é só acelerar.

Bom pessoal, acho que por hoje é só é claro que eu gostaria de lembrar duas coisas. Primeiro, todo o conceito de uma regra e uma exceção, baseado obviamente em lei da física, e em estudos em gente comprovando na pista como faz. Agora tem sempre uma ou outra deixa uma ou outra dica nas pistas que você pode observar, por exemplo se a pista é descida, se a pista é subida, se ela é inclinada pra dentro, se ela é inclinada pra fora, se ela tem algum bump, se ela tem algum remendo, isso tudo pode acabar mudando um pouquinho esse plano geral que eu dei de uma regra e uma exceção, aí você aproveita caso a caso.

Confira se a zebra dá pra atropelar ou não também… E falando em zebra pessoal, no próximo vídeo eu vou trazer algumas dicas sobre zebra, se a gente tem que atropelar, não tem que atropelar, quando que vale a pena, quando que não vale a pena, por quê que vale apena ou não… E o mais importante, por que que a zebra está lá? Pra te ajudar, pra e atrapalhar? Bem, e depois estou esperando já fazer alguma gravação externa e mostrar realmente na pista, no caso vai ser no kart, como a gente executa um traçado, ok?

Pessoal, se vocês gostaram do vídeo, peço que cliquem em gostei, se realmente gostaram eu peço que se inscrevam no canal, pra poder receber avisos de novos vídeos e isso vai realmente me ajudar a subir os vídeos para uma posição bacana no Google.

Se você ainda não viu o primeiro vídeo, agora no finalzinho vou botar um link aqui pra você poder assistir: https://www.youtube.com/watch?v=7-emVgnvUHE

Antes de eu finalizar o vídeo eu queria pedir o seguinte, eu notei que algumas pessoas me falaram que experimentaram isso na rua. Pessoal, na rua não é lugar de correr. Por favor, respeite os limites de velocidade, respeite as faixas de pedestre, respeite a sua faixa. Transito é uma coisa, pista é outra, tá bom?

Isso aqui é pra ser feito dentro da pista, em circuito fechado, beleza?

Valeu pessoal, obrigado e até mais!